Co-design: A nova norma para inovação bancária

jan 21, 2020 - 6 min read
Sopra Banking Software

Muito popular entre as empresas que buscam trazer rapidamente suas soluções para o mercado, o co-design – um método baseado em uma abordagem colaborativa que promove a inteligência coletiva – está provando ser uma ferramenta poderosa quando se trata de apoiar os bancos em sua estratégia de transformação digital.

Um poderoso impulso de inovação

Existem muitas metodologias para escolher quando se trata de desenvolvimento de negócios: Agile, Scrum, Six Sigma, apenas para citar alguns. Cada um propõe um sistema de práticas, técnicas e sistemas que visam ajudar uma organização a entregar projetos com sucesso e superar tarefas desafiadoras. E cada um é diferente, com seu foco, seja desenvolvimento de software, gerenciamento de projetos ou produtividade pessoal.

A abordagem de co-design é uma das metodologias mais consolidadas, com uma história que remonta à década de 1970, e iniciou seu desenvolvimento na Escandinávia. É diferente de outras abordagens porque é mais usado para consultoria do que qualquer outra coisa. O co-design torna possível primeiro delinear um roteiro, antes de começar a construir protótipos. Leva apenas algumas horas para identificar as prioridades e suas restrições para lançar um projeto nas melhores condições possíveis.

O co-design vem em várias formas – incluindo brainstorming, teste, aprendizagem e o método safari. O método de co-design pode ser usado em vários projetos e fornece a agilidade necessária para apoiar a inovação e muito mais.

Alguns dos principais benefícios do co-design incluem:

  • A reunião de ideias de diferentes disciplinas;
  • Compreensão focada nas necessidades do cliente;
  • Processo de tomada de decisão eficiente;
  • Implementação rápida de ideias.

Portanto, co-design significa que as organizações podem se afastar de seu modus operandi às vezes desatualizado e concentrar sua experiência em um determinado tópico. Um banco, por exemplo, pode aproveitar essa metodologia para desafiar sua capacidade de inovar, identificando ganhos rápidos e estabelecendo metas realistas. Assim como um kit de ferramentas, as organizações precisam escolher a ferramenta certa dependendo da sua necessidade. Esse método também pode ajudar os players do setor bancário a se distanciarem da imagem que tradicionalmente retratam e a serem percebidos como treinadores ágeis, sempre prontos para pensar estrategicamente em soluções inovadoras, principalmente no digital.

Um exemplo de co-design em ação:

Um de nossos clientes bancários no Congo recentemente usou métodos de co-design para facilitar o gerenciamento de mudanças. Eles queriam usar uma solução de mercado para digitalizar seus processos e atender aos requisitos do cliente em um prazo mais curto. O cliente achou que o digital como ferramenta, resolveria o problema. Por meio de workshops, pudemos revisar totalmente os processos internos existentes e assumir uma visão holística. O cliente percebeu que precisava revisar as práticas internas que eram muito isoladas, em vez de implementar uma solução digital. Uma solução digital sozinha, sem mudar as práticas desatualizadas do banco, não teria resolvido nada.

Uma abordagem que apoia vários projetos

A vantagem do co-design é que ajuda a gerar soluções que atendam às expectativas reais do usuário ou do cliente. Ao organizar workshops com foco no cliente, os usuários de co-design podem mais prontamente se colocar no lugar de seus consumidores e atender às suas necessidades.

Um exemplo de co-design em ação:

Usamos o co-design para ajudar um cliente bancário na Costa do Marfim a lançar uma nova oferta digital. O objetivo do banco era se destacar no mercado, oferecendo um novo portfólio de soluções digitais para atrair clientes jovens. Eles nos chamaram com o desafio de rever seu catálogo de ofertas. Durante as sessões de trabalho usando a abordagem de co-design, identificamos quais das ofertas propostas do banco eram mais interessantes e quais apresentavam riscos operacionais não identificados anteriormente. Esse processo de pensamento upstream (fluxo inicial de um projeto) significou que a equipe economizou um tempo precioso evitando uma série de armadilhas.

Integrando uma cultura digital dentro dos bancos

Os métodos ágeis e transversais do co-design envolvem todas as partes interessadas em uma organização, desde o digital até a segurança, conformidade e infraestrutura. Isso ajuda a trazer os problemas de cada departamento à tona e a promover o trabalho colaborativo desde o início.

O co-design pode ser aplicado a vários projetos de suporte digital de um banco, como a implementação de soluções inovadoras, digitalização de processos bancários, aceleração do gerenciamento de mudanças ou simplificação das experiências do cliente. Essa abordagem está se tornando uma ferramenta de trabalho genuína que não conhece limites, pois atende a todas as instituições financeiras, independentemente de seu porte ou necessidades.

Um exemplo de co-design em ação:

Um banco estava se preparando para lançar uma nova oferta digital e queria verificar se ela atendia totalmente às necessidades do cliente. Graças aos workshops de co-design, o banco conseguiu construir um protótipo de solução e testá-lo com um grupo de clientes para verificar se correspondia às suas expectativas. Aproveitamos essa iniciativa para refinar a solução, levar em consideração o feedback dos clientes antes do lançamento no mercado e, portanto, garantir o seu sucesso.