APIs e o banco do futuro

jul 23, 2021 - 6 min read
Sopra Banking Software

Em um momento em que os consumidores estão em destaque, as APIs permitem que os bancos criem experiências de cliente inovadoras e personalizadas para se diferenciar da concorrência.

No entanto, as APIs não são novidade. Essas interfaces de programação existem desde a década de 1980 e se popularizaram nos anos 2000. Usamos muitas delas todos os dias, mesmo sem saber. Em um smartphone, elas permitem verificar o tempo em várias cidades. Em um site de comparação de voos, elas classificam os preços de diferentes companhias aéreas para nos oferecer as opções mais econômicas.

No setor bancário, que foi prejudicado pela pandemia e pelo advento do open banking, as APIs foram colocadas na linha de frente. Como a competição está ficando mais acirrada, as instituições financeiras estão buscando estratégias mais focadas no consumidor para atender às crescentes expectativas dos clientes. Portanto, as APIs se tornaram uma ferramenta crucial para que os bancos alcancem e atendam aos clientes e se diferenciem dos concorrentes.

As APIs são de extrema importância para a experiência do cliente

Historicamente, os clientes tiveram pouca escolha em serviços financeiros. Mas as Fintechs resistiram à tendência, oferecendo uma gama de produtos muito superior às opções tradicionais. Por isso, tornou-se essencial para os bancos reagirem e se diferenciarem focando tanto no produto quanto na forma como são apresentados. Isso significa que os sistemas precisam ser constantemente aprimorados porque a atenção agora está no público e não mais apenas no produto.

É aí que entram as APIs. Elas agem como um mensageiro e conectam dados, aplicativos e diferentes componentes de software. Permitem a criação imediata de informações sob medida para necessidades específicas. No setor financeiro, eles dão ao usuário acesso a serviços hiper personalizados.

Bank-as-a-service = APIs-como-um-produto

No entanto, as APIs não são apenas “middleware” (aplicativos além daqueles disponíveis pelo sistema operacional) ou software intermediário que meramente fornecem um link técnico entre um serviço e um desenvolvedor. As APIs variam em natureza, dependendo do produto ou serviço para o qual foram projetadas. Devemos, portanto:

  • Observar cada uma como um produto em sua própria concepção
  • Buscar feedback para melhorá-las continuamente
  • Gerenciá-las com uma perspectiva global, em vez de uma base de projeto por projeto
  • Começar com as necessidades do cliente para torná-las específicas do desenvolvedor

O banco do futuro

Ao contrário de alguns anos atrás, quando a inovação era impulsionada principalmente do ponto de vista técnico, o futuro dos bancos já não se baseia apenas em novas soluções. É também sobre o valor que as soluções geram para os clientes. Com a crise da Covid-19, o aumento da digitalização e o aumento da concorrência, a experiência do cliente se tornou uma chave que todos devem considerar.

Atualmente, o open banking e suas reformas estão remodelando o cenário financeiro. As APIs, não mais consideradas como interfaces técnicas, mas como produtos, estão provando ser essenciais para muitos casos que incluem:

  • Adquirir mais dados. APIs atuam como sistemas de informação para referência cruzada de dados de clientes. Os bancos podem determinar a melhor pessoa para emprestar e comparar as informações de contato para o processamento de aplicativos, etc.
  • Melhorar a satisfação do cliente. As APIs permitem que o banco se adapte em tempo real às demandas dos clientes, dando-lhes acesso a experiências personalizadas, rápidas e perfeitas.
  • Criação de novos fluxos de receita e adoção de novos estilos de vida. Por exemplo, isso pode ser alcançado por meio da monetização de dados e da oferta de soluções móveis.

APIs são ferramentas diferenciadoras que mudam a experiência do cliente e mostram a identidade de um banco. Eles podem multiplicar a receita, aumentar o envolvimento do cliente e facilitar a diversificação das ofertas de serviços.

Riscos associados as APIs

A tecnologia por trás das APIs não é isenta de riscos porque depende do compartilhamento de dados em protocolos públicos. E à medida que os aplicativos móveis e da web se expandem, a segurança deve ser garantida em todos os níveis.

APIs que se conectam a aplicativos podem ser vulneráveis a ataques, e análises de risco específicas, incluindo um foco em segurança e privacidade, devem sempre fazer parte da abordagem. Esses requisitos de segurança podem ser uma barreira para oportunidades de transformação se não forem tratados logo no início. Portanto, é essencial que as organizações financeiras integrem três fatores-chave:

  • Uma análise completa e regular de todos os seus sistemas
  • Projeto e implementação de testes em tempo real escalável e adaptável
  • Um plano que garanta a rapidez e que as APIs introduzidas no mercado não prejudiquem as medidas preventivas, ou seja, a criação de um processo eficiente e com a manutenção do desempenho.

Como a importância das APIs continua a crescer, protegê-las nunca foi tão essencial. O desafio continua sendo para os bancos implementar essas tecnologias e, ao mesmo tempo, garantir sua segurança em todos os momentos.