A ascensão do Banking as a Service

jan 22, 2020 - 8 min read
Sopra Banking Software

Os bancos precisam de transformações digitais abrangentes para prosperar. Os bancos que deixam de abraçar a mudança correm o risco de perder o relacionamento com os clientes e, com eles, um segmento central de seus negócios.

Banking as a service

Em 2018, a CEO do Starling Bank, Anne Boden, declarou que o banco de transações estava morto. Ela concluiu que “é um momento para celebrar uma nova era do sistema bancário – a era da API – a era do Banking-as-a-Service”. O banco de varejo pode não estar morto, mas também está passando por uma transformação significativa.

O fechamento de filiais tem se acelerado nos últimos anos. Um estudo recente descobriu que a localização física de um banco é muito menos importante do que era há uma década, com apenas 10 por cento dos clientes de hoje citando-a entre seus principais critérios para escolher um banco.

As filiais e as interações presenciais que oferecem não vão a lugar nenhum, mas o futuro é claramente digital. Muitos bancos de varejo estão “vazando” clientes para fintechs e empresas especializadas de linha única, de acordo com um estudo recente da Bain & Company. “75% dos consumidores entre 18 e 24 anos usariam um produto financeiro oferecido por uma empresa de tecnologia estabelecida”, diz o estudo. Além disso, 46% dos consumidores americanos indicam que já usam serviços financeiros oferecidos por uma empresa fintech.

Embora tenha se tornado um meme nos últimos anos, o fato é que muitos bancos precisam de transforma­ções digitais abrangentes se quiserem conter essa maré. Os bancos que deixam de abraçar a mudança correm o risco de perder o relacionamento com os clientes e, com eles, um segmento central de seus negócios.

Novas soluções

O Banking as a service (BaaS) é uma solução para bancos que precisam se modernizar. Ele fornece acesso de terceiros à funcionalidade do banco por meio de APIs para que empresas não bancárias possam conectar usuários fora da área de cobertura existente do banco a serviços finan­ceiros.

Muitas instituições financeiras reconheceram que colaborar com fintechs é uma maneira rápida de trazer tecnologia inovadora para dentro da empresa e reforçar suas ofertas de BaaS. Na verdade, o Relatório Mun­dial Fintech 2019 da Capgemini destaca “parceria em vez de construir ou comprar” como uma tendência importante.

Hoje, o BaaS se tornou um modelo de receita amplamente aceito para bancos com visão de futuro e plata­formas de tecnologia independentes. O que começou como uma maneira não governada e insegura de des­cobrir funcionalidade evoluiu para se tornar um modo controlado e orientado por processos de abrir uma série de APIs de acordo com os padrões de segurança do setor.

Aproveitando a onda do BaaS

Alguns olham para a evolução do sistema open banking nos últimos anos e veem uma ameaça existencial. Mas os bancos legados com experiência em tecnologia estão tratando isso como uma oportunidade ao entrar proativamente no espaço BaaS – pegando um paradigma tradicional e reformulando-o para refletir os avan­ços em tecnologia, cultura, demanda e prática. Nesse sentido, o BBVA é um dos pioneiros. Em 2018, eles lançaram a plataforma aberta, que permite que terceiros integrem facilmente pagamentos e serviços bancá­rios complementares em seus próprios modelos de negócios.

Essa não é apenas uma forma de os bancos ampliarem suas ofertas digitais, mas de se preparar para um futuro em que os usuários nunca poderão visitar uma agência ou mesmo abrir um aplicativo bancário. Ape­nas cerca de 25 por cento dos titulares de contas visitaram uma agência em 2018 para abrir uma nova conta de depósito, de acordo com a Market Force.

No futuro, os consumidores provavelmente usarão o Facebook, Apple, Google ou outro aplicativo com serviços financeiros nativos incorporados perfeitamente lado a lado. O Google confirmou recentemente que começará a oferecer contas correntes no próximo ano. A Apple tem um cartão de crédito indestrutível. E o Facebook acaba de anunciar o Facebook Pay – um Venmo com uma coleta de dados mais rigorosa.

A colaboração fintech-banco pode ser um atalho para se preparar para esse futuro e faz sentido de ambos os lados do corredor.

As fintechs oferecem uma mentalidade de inovação, agilidade, perspectiva centrada no consumidor e uma infraestrutura construída para o digital. Por outro lado, a maioria das instituições bancárias tem escala, reconhecimento de marca mais forte e confiança estabelecida com muitos consumidores prime e super­prime. Eles também têm licenciamento adequado, capital adequado, conhecimento dos regulamentos e uma rede de distribuição estabelecida.

Embora as parcerias fintech-banco tenham seus desafios, elas são a base para aproveitar a onda de mu­dança com sucesso. Isso é verdade quer você seja um banco tradicional multibilionário ou uma startup que busca trazer tecnologia de ponta para o mercado.

Perfil BaaS em ação

O BaaS permite que as instituições financeiras se reinventem como montadoras de soluções de gestão fi­nanceira, personalizadas para atender às necessidades específicas dos clientes. Quer um banco crie sua própria plataforma ou trabalhe com um parceiro, o BaaS pode oferecer um valor estratégico significativo em áreas como:

  • Crescimento da base de clientes por meio de parcerias
  • Entrada ágil em novos setores de negócios
  • Redução do custo de operação e distribuição

Esses benefícios são reconhecidos há muito tempo e muitos veem o BaaS como uma forma necessária não apenas de preencher quaisquer lacunas em suas ofertas, mas também de impulsionar o crescimento susten­tável. Exemplos incluem:

  • Radius Bank – conquistou reputação nos EUA por fazer parceria com empresas FinTech e atender uma variedade de clientes não bancários.
  • Solaris Bank – construiu uma plataforma BaaS que alimenta a Alipay, a maior plataforma de paga­mento e estilo de vida do mundo.
  • Yes Bank – fornece APIs que permitem que as plataformas de comércio eletrônico iniciem o reem­bolso de dinheiro quase em tempo real nas contas bancárias dos clientes.

Embora as APIs já existam há muito tempo, a capacidade de comercializá-las em escala é mais recente. Os bancos mencionados acima são alguns dos líderes na criação de experiências de cliente totalmente digitais, móveis e APIs integradas.

Expectativas

O setor bancário chegou tarde à revolução da desagregação, mas há muito tempo para sua própria transfor­mação de software como serviço. Os avanços tecnológicos acelerados, a nova legislação e as expectativas cada vez mais altas dos consumidores estão forçando uma mudança.

Para acompanhar o ritmo, os bancos devem adotar uma abordagem de arquitetura orientada a serviços e com componentes. Eles devem adotar APIs abertas, inovar em modelos de negócios e fortalecer suas pro­postas de valor.

Para tanto, o BaaS é uma etapa crucial no roteiro da transformação digital – sua relevância estratégica abrange tudo, desde a distribuição até as operações e os modelos de negócios futuros. O BaaS é uma grande oportunidade para bancos, desenvolvedores terceirizados e consumidores semelhantes. Mas medidas par­ciais não bastam, para permanecer digitalmente relevante e preservar a participação de mercado, a maioria dos bancos precisará adotá-la totalmente.