Empréstimos garantidos pelo governo francês: preparando os bancos para a próxima fase

set 18, 2020 - 6 min read
Sopra Banking Software

Em meio à crise de saúde, o governo francês desbloqueou os empréstimos para permitir que as empresas continuem à tona. Com um período de carência de um ano, os reembolsos desses empréstimos começarão na primavera de 2021. É hora de os bancos se organizarem e se equiparem para gerenciar esses instrumentos de empréstimo complexos.

Respondendo a uma situação sem precedentes com uma solução sem precedentes, o governo francês estabeleceu empréstimos apoiados pelo Estado no final de março de 2020 para aliviar as dificuldades enfrentadas pelas empresas. Microempresas e PMEs (pequenas e médias empresas) aderiram a este esquema em massa, ou porque precisavam disso por precaução, ou porque estavam preocupadas com o futuro.

A ideia é bastante direta: um empréstimo em dinheiro é concedido pelos bancos para que as empresas possam pagar suas despesas gerais, apesar de suas operações em declínio drástico, ou mesmo na paralisação total. Pagamento de fornecedores, contas, aluguel e salários – o empréstimo pode cobrir até três meses de faturamento e vem com uma garantia soberana de até 70 a 90 por cento, via BpiFrance. No total, o estado pode conceder 300 bilhões de euros em empréstimos até 31 de dezembro de 2020. Este pacote, que segundo a mídia é “poderoso” e “baseado no consenso”, foi estendido à indústria do turismo em agosto com a “sazonalidade” dos empréstimos garantidos pelo Estado.

Uma onda de (não) pagamentos

Para aproveitar as vantagens, as empresas precisam apenas se inscrever em seus bancos. A taxa de rejeição é inferior a 3 por cento e apenas empresas de investimento imobiliário, negócios colocados em concordata, instituições de crédito e empresas de financiamento não são elegíveis. A taxa de reembolso é definida caso a caso, mas é baixa: de 1 a 1,5 por cento para empréstimos amortizados até 2022/2023 e até 2,5 por cento para amortização em quatro a seis anos.

Esses empréstimos garantidos pelo Estado francês, no entanto, não são um presente e devem ser reembolsados. Após o primeiro ano, os beneficiários terão que escolher um plano de reembolso de 12 a 60 meses. Além do mais, os bancos são responsáveis por parte do risco envolvido; e para eles, a questão principal será o planejamento para as próximas etapas. A própria natureza destes empréstimos e o contexto atual implicam um provável aumento dos problemas de cobrança a médio prazo. Segundo Zalis, isso representa um “desafio impossível”.

Se o tomador do empréstimo entrar em inadimplência, as instituições de crédito só podem recuperar 70 a 90 por cento do montante emprestado por meio da garantia estatal. E dado o grande número de empresas que se inscreveram neste pacote, essas quantias estão longe de ser insignificantes.

Preparando-se para o processamento

O volume de dados que requerem processamento representa um segundo perigo. O maior impacto da crise pode vir em seis meses, quando as empresas que contraíram empréstimos no início da crise (a partir de março) terão que começar a pagá-los na primavera de 2021. Para os bancos que concederam um número substancial desses empréstimos, terão de antecipar a gestão de um grande número de processos provavelmente complexos, com possibilidade de reembolsos reduzidos. Os bancos podem sofrer perdas financeiras significativas se estiverem mal preparados. Essa eventualidade deve incentivá-los a implementar ferramentas sustentáveis de gestão e coleta de riscos.

Preparando os bancos para os riscos

Como acontece com qualquer ferramenta financeira regulamentada, os empréstimos garantidos pelo estado exigem conhecimentos específicos. Quando este processo foi desenvolvido, o foco estava na implementação rápida. Como tal, os bancos não tiveram tempo para adaptar seus sistemas tradicionais. Os bancos que já estão dimensionados e equipados para gerenciar grandes volumes de empréstimos corporativos precisarão apenas ajustar seus sistemas, mas para todos eles haverá três impactos nos processos e sistemas internos:

  • A análise de risco deve levar em consideração o fato de que algumas empresas deixarão de usar os processos tradicionais e combinarão vários processos de assistência, além de empréstimos garantidos pelo Estado; por exemplo, contribuições de previdência social diferidas e cronogramas de reembolso diferidos
  • Relatórios e procedimentos de processamento específicos serão necessários
  • Para a cobrança, os funcionários responsáveis pelo monitoramento dos empréstimos garantidos pelo estado podem ser dificultados por um software que não é adequado para o volume e a complexidade desses empréstimos. Em situações de emergência, eles terão que adaptar de alguma forma os processos de administração de empréstimos ao consumidor ou mesmo suas planilhas para gerenciar o surto de dados

Como se preparar

Existem ferramentas específicas de direcionamento, como SBS Risk Management e SBS Collection Management, que facilitam a coleta otimizada, graças a um sistema automatizado. Isso inclui um lembrete de datas e tarefas importantes; a possibilidade de acessar as informações que o banco detém sobre seus clientes para uma ação efetiva com lembretes e soluções específicas; e relatórios regulatórios e não regulatórios produzidos automaticamente. Para as pequenas e médias empresas, será importante antecipar a retomada do pagamento de juros e contribuições previdenciárias.